Trecho da peça A Moça de Preto, clique aqui para ler na íntegra

Moça de Preto – (como se falasse para Pedro) Pedro… Meu pai morreu, Pedro… eu quero sofrer… quero morrer junto, entende? (louca) Me deixa!!!!

(Serena) Pedro não entendia isso. (feliz) Queria me ver feliz novamente. (chorando) Como ousou? Como ousou? Como ousou fazer isso comigo? (revoltada) Como ousou achar que eu não tinha o direito de sofrer pelo meu pai? Pela viuvez de minha mãe… pela minha própria viuvez.

(respira e volta mais serena e louca) Deus só existe no nascimento e na morte. Primeiro a gente agradece e depois xinga.

Pedro fez o que eu menos queria. Tentou me dar esperanças. Falava que meu pai estaria bem, pois sempre foi um homem digno.

(como se falasse para Pedro) Pedro, não vê? Não consegue ver? Toda esta dignidade o levou à morte, não vê? O levou ao sofrimento. A virtude não o salvou de ser um aleijado, um meio-homem, que implorava por mangas!

(para si mesma) Não devia ser assim. O sofrimento não devia fazer parte da regra do jogo.  Pedro me falava em algo a mais. Pensava que se eu acreditasse eu suportaria. Me fazia um discurso de que ele acreditava que a vida ia além. Que a morte não era o fim.

(Louca, para Pedro) É o fim!!!! É o fim!!! É o fim….

(Mais serena, para a plateia) Dizia que a morte era apenas uma passagem para um plano espiritual de acordo com o nosso nível de compreensão.

(como se falasse para Pedro) Pedro, eu não compreendo, não compreendo… nem quero compreender e tenho raiva de quem compreende!

(para a plateia) E que meu pai foi um homem muito bom em vida. Que estaria em um lugar belo onde depois eu o reencontraria. Dizia também que a morte não significava nada mais do que uma passagem e que a vida era uma oportunidade de crescimento.

(novamente falando com Pedro, pontuando) Foda-se!!! Foda-se!!! Foda!!!

(depois de pequena pausa, volta a si e ri) Odeio a calma de quem tem esperanças em um depois. Morreu acabou. Ou se não acabou… não sei… Só sei que… (triste) que não tinha mais meu pai comigo.

 

Trecho da peça A Moça de Preto, clique aqui para ler na íntegra

 


O verdadeiro controle da vida

Posted: 15th dezembro 2011 by Denys Presman in Filosofia

A morte é o destino inevitável. A gente não tem controle sobre ela. Se a gente não tem controle, ela não deviaria nos abalar. Só devemos gastar nossas forças nas coisas que podemos agir sobre.

Tá, eu particularmente não acredito que a morte é o fim. Mas isso não faz diferença neste momento.  Viver depois da morte, reencarnar. Isso tudo é fluxo da natureza e muito disto também não está sobre o nosso controle, sobre a nossa vontade.

E o que a gente controla, então? Somente o essencial: nossa conduta. Não direi que é a única coisa que devemos nos preocupar. Direi apenas que é a primeira e talvez a mais importante delas. È o ponto primeiro em um sistema onde os indivíduos são maiores que as crenças.

Nossa conduta é pessoal e única e embora seja, de certa forma, guiada e norteada por normas existentes no mundo, ela obedece uma ética individual. E aí que está o verdadeiro controle. Não é sobre a morte, não é sobre o futuro. É sobre as condutas individuais.

Temos o direito de escolha para decidir que tipo de ser humano seremos. E a partir deste início, do controle sobre nós mesmos, devemos viver em um mundo que não temos controle. E que vem com toda a força para nos minar, para colocar em teste nossas idéias e nosso controle sobre nossa ética e índole pessoal.

E este é o nosso desafio. Enfrentar o mundo e nos tornamos melhores.

 

Denys Presman é jornalista e brasileiro



Em um lugar onde todas as utopias são apenas discutidas:

– Um sonho… foi um sonho que eu tive. Era tudo maravilhoso. Todo mundo ficava numa boa. As regras eram outras.

– É, eu sei. Os indivíduos questionavam seu papel na sociedade e chegavam a conclusão que a vida era perfeita. O capitalismo havia acabado, as pessoas dividiam as coisas. O mundo era uma irmandade. Tudo era de todos. Todo mundo se amava e se respeitava.

– Pode crer!

– É, pode crer!

– Mas peraí!? Como você sabe desses detalhes do meu sonho?

– Bicho… eu tava no seu sonho.

– No meu sonho?

– É, tava.

– Mas você não podia estar lá.

– Por que não, brother?

– Porque o sonho era meu. Só meu.

 

* Denys Presman é  jornalista e brasileiro

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!


Mais de Sade

Posted: 9th julho 2011 by Denys Presman in teatro
Tags: , , , , , ,

 

O texto abaixo é uma passagem da peça “Sade, o Marquês”, de Denys Presman.(De 1996). Inspirado no livro de Guy Endore “Sade – O santo diabólico”

Clique aqui para ler a peça na íntegra.

Rodolf  – Então, Sade, você volta comigo ?

Sade – Volto.  Volto para La Coste.  Vou enfrentar minha sogra.  E me unir definitivamente com Anne.

Rodolf – Você a ama de verdade ?

Sade – Amo.

Rodolf – Pois vejam só, o monstro, o animal, o pervertido.

Moça2 – Ele não é magnífico?

Moça1 – Eu adoro a fama dele!

Rodolf – O famoso Marquês de Sade tem coração.

Sade – Tenho coração e sinto amor, muito amor.  Amei Anne no primeiro olhar, estava tudo arranjado para eu casar com Rennée. Por um desses acasos do destino conheci a irmã de minha noiva…  amei a irmã de minha noiva.  Tentei convencer Madame Montreuil a me deixar casar com  Anne em vez de Rennée.  Ela não quis.

Rodolf – Não sabia desses detalhes.

Sade – É, amei a minha cunhada na primeira desfeita que ela me fez.  De início,  ela me odiava.  O amor tem que um pouco de ódio. Ser violento. Se não para durar, pelo menos para dar prazer. Me apaixonei quando ela foi agressiva comigo. E ela se apaixonou pela minha fama e pela minha personalidade.  Aos poucos se entregou e virou minha esposa de fato.  Teve o papel que deveria ser de sua irmã.

Rodolf – E Madame Montreuil descobriu?

Sade – Desconfia.  Acho que ela faz vista grossa. Não suportaria saber que as duas filhas são amantes do mesmo homem e que eu sou este homem.  Madame Montreuil me odeia. Vive me perseguindo, já tirou tudo que eu tenho. Agora quer me tirar Paris. Qual será o próximo passo?  Quem sabe a minha liberdade?  Parece até que é castigo.

Rodolf – E será  que não é de repente um castigo de Deus?  A mão divina?

Moça1 – Eu acredito em Deus…

Sade – (Ri) Deus??  O que é Deus ?  Uma força superior, uma força da natureza.  O senhor maior.  Eu não tenho medo de Deus. Eu não vivo para Deus.

Rodolf – Não se preocupa com sua morte, com o depois, com a questão da imortalidade da alma?

Sade – (Fala com desdém) Eu!!! (Hesita) Eu, eu não me preocupo com estas coisas.  Posso a qualquer momento enfrentar Deus e ele não me punirá.

Rodolf – Mas Deus age de maneira misteriosa.

Moça1 – (Delirando) Eu acredito em Deus.  Eu acredito na maneira misteriosa como ele age.

Sade – (Ignora a moça1) Se a maneira dele é misteriosa, como posso saber qual é, e se não sei qual é como posso dizer que ele existe.  Sou da seguinte opinião, se Deus existe não interfere na vida dos homens.

Rodolf – Ah é ! E Madame Montreuil? Acho que ela é um exemplo da maneira misteriosa com que Deus age.

Sade – (Sério como quem acaba de receber uma revelação) Não pode ser.  (Mudando de tom, rindo) De jeito nenhum.

Rodolf – Na minha opinião Madame Montreuil é  uma interferência divina.

Moça1 – Eu já sofri com a interferência divina.

Sade – (Rindo) Eu não mereceria tanto.  Minha sogra é castigo suficiente para uma eternidade toda.

Moça1 – Eu era casada com Cristo.

Sade – (Se vira para moça1) O que é que você está falando?

Moça2 – Não liga não, ela às vezes se perturba com esse tipo de discussão religiosa.

Moça1 – Eu era casada com Cristo, o que podia esperar da minha vida?

Rodolf – Podia esperar a eternidade, uma alma imortal.

Sade – A felicidade não está na imortalidade.

Rodolf – Não? Então o que viemos fazer neste mundo?

Moça2 – Ser feliz.

Moça1 – Eu queria ser feliz.

Rodolf – Ser feliz sem princípios básicos?

Sade – Os únicos princípios básicos que se deve seguir são os individuais.

Rodolf – Você nega tudo. Nega a religião, nega os sentimentos patrióticos, nega tudo!

Sade – Não nego, apenas acho que antes da religião, antes da pátria, vem o indivíduo.  Uma pessoa não pode viver para religião, não pode se censurar pela religião. Uma pessoa não pode viver e, em hipótese alguma, morrer pela pátria.  A pátria e a religião é que deveriam agir em prol das pessoas.

Moça1 – Eu não queria Cristo, um marido virtual, que eu não  posso tocar.  Um marido que não me toca, que não me traz presentes, nem me diz boa noite antes de dormir.  Eu não queria Cristo.

Rodolf – Mas Cristo é perfeito. Ele veio ao mundo salvar a todos nós.  Você devia ficar feliz por ter uma vida longe do pecado.  Em vez disso olhe o que se tornou?

Moça2 – Se você acha isso por que não se tornou padre?

Sade – (Com indisfarçavel felicidade)  Diga, meu caro Rodolf, por que não se tornou padre?

Rodolf – Eu quando jovem pensei seriamente em ser padre.  Me recolher num mosteiro e esquecer do mundo.

Sade – E o que o fez desistir?

Rodolf – Minha família me arranjou um casamento.

Sade – Outra vítima.

 

Clique aqui para ler a peça na íntegra.

* Denys Presman não é sádico, infelizmente, é apenas jornalista e brasileiro.

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!



Por: Denys Presman

Hoje é dia. Flamengo e Corinthians. Jogão, sempre jogão. Repito: hoje é dia. Porém, com uma motivação extra que deixa o próprio jogo em segundo plano. Petkovic vai dizer adeus ao futebol. É momento para estar no estádio… pra torcer por um último gol… pra gritar “fica fica”.. para lembrar.

Merecia o Maracanã….

Eu vou estar lá. Como estive em outras despedidas de grandes craques. Aliás, sempre que um jogador deste nivel abandona o futebol é inevitável não pensar que parte da nossa vida passou. Dizer adeus não é fácil. Nem pra quem vai, nem pra quem fica, no caso, nós, os torcedores.

Têm jogadores que marcam a nossa vida. Ficou na  minha memória o momento que alguns destes pararam. Como do Junior, o Maradona, o Roberto Dinamite, o Platini, o Zidane etc.

Nem todos os grandes tiveram este último jogo para dizer adeus. De moleque lembro da comoção quando o Leandro parou de jogar. Quando Socrates encerrou a carreira, mostrava que a geração de 82 começava a chegar ao fim. Romário ainda teve a corrida pelos 1 mil gols antes de dizer adeus. E, pessoalmente, senti falta do Mozer ter um ultimo jogo pelo Flamengo.

Entre todos os grandes nomes,  me vem a cabeça a despedida do Zico. Que foi diferente de todas as outras. Naquele Maracanã lotado, triste, 100 mil pessoas chorando, em um jogo Flamengo x Resto do Mundo.

– Fica, fica, fica.

A música “Saudades Do Galinho” do Moraes Moreira pairava.

– E agora como é que eu fico nas tardes de domingo sem Zico no Maracanã.

Ali não era o Zico que encerrava sua carreira, era como se cada um dos milhões de rubro-negros,  porque não dizer, de brasileiros, estivessem encerrando parte da sua carreira de torcedor.

Acho que talvez somente o Pelé, o Garrincha, tivessem deixado este gosto no povo. Não sei, não vivi.

E hoje, o Pet vai encerrar a carreira dele e o juiz vai mandar o jogo seguir. A nossa carreira continua. Mas na memória e nas palavras fica o agradecimento ao Petkovic por tudo que ele fez em campo.

 

* A música Saudades Do Galinho, do Moraes Moreira, foi composta no momento em que o Zico se transferiu para a Udinese.

 

Gol do Pet

 

Zico, o Camisa 10 da Gávea

 

 

* Denys Presman é  jornalista e brasileiro

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!


Paixão de Cristo

Posted: 19th maio 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , ,

 

Sexta-feira da Paixão.

Um rapaz e uma moça em um motel.

Carinhos, beijos, sexo, muito sexo.

Em um breve intervalo, eles ligam a televisão. Sessão da Tarde na Páscoa. O filme era sobre a vida de Jesus Cristo.

A moça olha para a TV, começa a assistir.

Interessada, ela se vira para o rapaz e pergunta se ele já viu.

Ele confirma.

Curiosa, a moça pergunta:

– E como termina?

Assustado, o rapaz não perde tempo.

– O cara de barba morre no final. Agora, desliga a TV e vem cá.

(Pano rápido, muito rápido)

 

* Denys Presman é  jornalista e brasileiro

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!


O eu

Posted: 17th maio 2011 by Denys Presman in Crônicas, Poesia

Tenho andado meio em primeira pessoa. Isso não é feio, nem bonito, nem certo, nem errado. Apenas é.

Em alguns momentos, a regra de escrever o mundo em terceira pessoa precisa ser quebrada. Senão a realidade escapa e a gente para de sentir.

O eu nem sempre é individualista.

Estar em primeira pessoa não significa ego, egoísmo ou afins.

O eu é também sujeito de ações na vida do ele, ou eles.

No momento, eu ando querendo escrever o que eu penso, o que eu vivo, o que eu tenho vontade.

É, é bom ser primeira pessoa de vez em quando.

Principalmente na vida do ela – dela.

E melhor ainda quando a gente conjuga isso.

 

* Denys Presman é  jornalista e brasileiro

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!


Pensamento

Posted: 6th maio 2011 by Denys Presman in Crônicas, Poesia
Tags:

Sentado à beira da praia. Pensava. Pensava.

Seu pensamento ia longe. E pensava que os pensamentos o podiam levar para qualquer canto.

Pensava e pensando não havia limitações.

Pensava e pensando não havia onde não pudesse ir.

De repente parou. E pensou.

E pensando viu que escolhia sempre ir ao mesmo lugar: até ela

 

Denys Presman anda pensando demais.


A união de frases

Posted: 7th abril 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , , ,

Por: Denys Presman

Entre uma frase e outra tem sempre um ponto e um espaço. Por mais juntas que as sentenças estejam, elas são diferentes. Às vezes se completam, às vezes se contradizem. De vez em quando, uma frase ligada a outra não faz o menor sentido, mesmo assim o som gostoso de ouvir e a métrica consagram a união.

A diferença é clara e maiúscula. Já na primeira letra a sentença chega mostrando decisão. É tudo personalidade. Cada um tem a sua. Há quem veja como separação e distancia com parágrafos. Há quem veja como interação, percebe que são distintas, porém, não separadas. Há quem não veja nada, que está entretido demais com a vida que surge do texto.

Um bom conjunto simplesmente acontece. Semelhanças? Diferenças? Até mesmo grandes variações do tempo verbal. Tanto faz. Não importa. O que vale é a qualidade das palavras que formam cada uma das frases. Isso é o que faz um texto ser feliz para sempre.

 

* Denys Presman é apenas jornalista e brasileiro.

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!


Vidência

Posted: 20th março 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , ,

Surpreso, Custódio comentou com sua esposa:

– Maria, acho que estou lendo seus pensamentos.

Maria estranhou o comentário. Hesitou. Porém, acabou por perguntar:

– E em o que é que eu estou pensando, homem?

– Você está pensando em tudo que nós vivemos juntos, não está?

– Estou.

-Eu sabia. Eu sabia!

Custódio não consegue esconder o seu contetamento. Maria fica calada, esperando por mais.

– Pensa que a nossa vida foi um horrror, não pensa? Que eu não sou o marido que você desejava. Que você queria viver coisas diferentes. Não pensa?

– Não. Não penso

– Mentira! Não minta para mim, dona Maria.

Maria gela.

– Como você sabe que eu estou mentindo?

– Ora, como? Eu sei ler pensamento. Apenas sei isso.

As lágrimas da esposa descem.

– Você está certo, não tenho como mentir. Eu não aguento mais. Eu quero divórcio.

Divórcio concedido. E o velho Custódio pôde viver tranquilo com a bela vidente com quem há algum tempo mantinha um ardente caso de amor.

 

* Denys Presman é apenas jornalista e brasileiro.

Gostou? Comenta, compartilha, divulga!