Posts Tagged ‘mulheres’

Um pouco de Sade

Posted: 9th março 2011 by Denys Presman in Filosofia, teatro
Tags: , , , , , , ,

Tweet   O texto abaixo é uma passagem da peça “Sade, o Marquês”, de Denys Presman.(De 1996). Inspirado no livro de Guy Endore “Sade – O santo diabólico” Clique aqui para ler a peça na íntegra. (Em cena, Madame Montreuil – sogra do Marquês de Sade;  o Marquês de Sade; e Anne – cunhada do […]

Tweet E aí? Alguém sabe responder quando é socialmente aceitável falar “seu peito é muito gostoso”? Não tem uma cartilha para isso. Regras de etiqueta, nem pensar.  O homem que gosta de mulher, que gosta de verdade, vai estar sempre travado, censurado. E censura é considerada crime, algumas vezes pela constituição outras pela psicologia. Os […]

Me engana que eu gosto

Posted: 17th fevereiro 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , , , , ,

Tweet Uma coletânea  com as maiores mentiras da humanidade –  Eu tenho namorado –  Vou dar uma volta para comprar chope. –  Um gole de chope me deixa doida –   Só te quero como amiga. –   É bonitinha? – Ela é simpática! –  Isso nunca me aconteceu antes! –  Namorado de amiga minha é mulher! […]

A burocracia do beijo

Posted: 9th fevereiro 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , ,

Tweet É, beijos, tenho que falar de beijos…. beijos, beijos, beijos, beijos, beijos, beijos. Beijos complicados, burocráticos. Isso me lembra uma história. Era uma praça. Pessoas passavam, pombos voavam, os passarinhos cantavam e lá no fundo… no fundo… um banco, eu e uma moça. – Querida, já é terceira vez que a gente saí junto. […]

A bela morena de olhos verdes

Posted: 16th janeiro 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , ,

Tweet A bela morena de olhos verdes, aquela que circula pelo Pilotis da PUC espalhando sorrisos e deixando a todos, inclusive o próprio  Kennedy, boquiabertos, veio em minha direção.  Parou  na minha frente e me dirigindo à palavra  (sim, é verdade, falou comigo. Fiquei tremulo.), com um toque de sensualidade e tom de imposição ,  […]

Anos depois: a mesma morena de olhos verdes

Posted: 16th janeiro 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , , , ,

Tweet Sim, é verdade. Sou um bobo. E os bobos estão sempre mais sujeitos as casualidades. Pois eis que, hoje, andando pelo centro do Rio, me esbarro logo com quem? Com ela novamente. A tal morena de olhos verdes. Aquela que deixava todo mundo louco e de boca aberta. Ela vinha andando distraída, como se […]

A fuga das coxas

Posted: 5th janeiro 2011 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , , ,

Tweet Em meio a um ônibus lotado, um passageiro grita: – Motorista, siga aquelas coxas. A voz de desespero do autor do grito deixou alarmados os outros passageiros. Alguns mais atentos faziam coro. – Faz o que ele diz, homem. Coxas como aquelas não andam sozinhas por aí sozinhas. Essa loucura coletiva tinha um motivo: […]

Vai um chope?

Posted: 17th dezembro 2010 by Denys Presman in Crônicas, Poesia
Tags: , , , , , , ,

Tweet Um rapaz, bem apessoado, entra num boteco. Uma moça, muito bonita, entra também. Ele olha para ela. Ela olha para ele. Os dois entreolham-se. – Seria um sinal ? – pensa ele. – Ele vai me cantar – pensa ela. Olhando para o lado, ele pisca. Olhando para frente, ela sorri. Ele ri. Ela […]

Motivações

Posted: 16th dezembro 2010 by Denys Presman in Crônicas
Tags: , , , , ,

Tweet Era uma menina linda ali sentada. Sua beleza era tamanha que até  deprimia. Um homem normal, mortal, nem bonito nem feio, jamais pensaria em ter alguém como ela. Mas por via das dúvidas, não havia porque eu não puxar assunto.   –         Oi, tudo bem? Machucou o que? –         A coxa. Acho que distendi […]

Engano seu, moça

Posted: 14th dezembro 2010 by Denys Presman in Poesia
Tags: , , , ,

Tweet Olhar belo, distante, com um preto forte, de brilho inconstante.  Sorriso escondido e controlado, que apenas revela o que pode ser revelado.  Usa franja marota. Engana… Engana… Engano seu, moça. Quem quer, vê… Revê… Entende… Procura de novo o sorriso. Acha você. Inteira, pequena. Do tamanho que devia ser.  Sempre delicada. Forte. Buscando crescer. […]